MTE---Banner-facebook---820-x-315-px-.png

O “Miniteatro Ecológico” é um programa de educação ambiental itinerante dirigido ao público infantil. Suas ferramentas são o teatro de bonecos, livros e vídeos. A série atua para a formação de uma consciência sustentável, ecologicamente responsável, sensibilizando a criança para o mundo natural, seus seres vivos, e a necessidade de se cuidar do meio ambiente.


Fruto da parceria entre o Grupo Giramundo e a empresa Petrobrás - Petróleo Brasileiro S/A, o “Miniteatro Ecológico” conta com a consultoria científica da Fundação Zoobotânica de Belo Horizonte e da bióloga Valéria Tavares.

Com os menores bonecos do Giramundo a coleção de marionetes do Miniteatro Ecológico é numerosa: composta de animais originários das vegetações retratadas e personagens do folclore brasileiro.

Por suas dimensões reduzidas e facilidade de transporte os espetáculos são versáteis e adaptáveis, permitindo ao Giramundo se apresentar ao ar livre, perto da natureza, em escolas, parques e reservas ecológicas, entre outros. Todos os episódios têm texto e direção de Ulisses Tavares e trilha sonora assinada por “O Grivo”.

O APRENDIZ
NATURAL

giramundo_projeto_mte_jacare_aa.jpg

Primeiro episódio do projeto “Miniteatro Ecológico”, “O Aprendiz Natural”, reflete sobre a importância da proteção ao meio ambiente, trazendo discussões sobre sérios problemas ecológicos como: queimadas, poluição, desmatamento, assoreamento e tráfico de espécies.

A aventura começa quando Fulano, um ser humano comum, se dispõe a aprender a respeitar a natureza sob a orientação de seu amigo Tatu. A partir de uma caminhada na mata, Fulano presencia a ação irresponsável do Homem Mau, personagem que representa a síntese da falta de consciência ecológica. O desfecho mostra a natureza se voltando contra as ações do Homem Mau por meio da atuação de um personagem do folclore brasileiro, o Saci Pererê.

MTE - Miniteatro Ecológico-3.png

mata
atlântica

A Mata Atlântica é um bioma imensamente rico em espécies vegetais e animais, muitos destes endêmicos. A mata é densa, sombreada, cheia de samambaias, orquídeas, bromélias e árvores altas formando o dossel. As relações entre animais, microorganismos e plantas são complexas e muitas vezes frágeis e únicas.

A vegetação cobria grande parte da costa do Brasil e parte do interior, desde

o Rio Grande do Norte até o Rio Grande do Sul. Infelizmente, este bioma espetacular está reduzido, atualmente, a cerca de dez por cento de sua extensão original. É preciso conhecer e proteger o que resta.

O espetáculo retorna ao período da colonização do Brasil para tratar dos problemas que afligem a Mata Atlântica: a ocupação do território e o extrativismo vegetal que praticamente aniquilou a vegetação. Para tanto, retrata-se a chegada de dois portugueses com visões distintas em relação à exploração da nova terra. Para Manuel, o que conta é a simples extração de riquezas, inconsequente e predatória. Joaquim, por sua vez, busca a compreensão do ambiente para poder, depois, definir sua atuação. Como em todos episódios do Miniteatro Ecológico, temos a participação de um personagem do folclore brasileiro. Aqui, O Curupira se vale de seus poderes sobrenaturais para colocar em julgamento as ações de Joaquim e Manuel.

MTE - Miniteatro Ecológico-4.png

cerrado

O cerrado é múltiplo, assumindo diversas formas: o Cerradão, que é como uma floresta, bem denso; o Cerrado propriamente dito, de árvores esparsas,

solo nú e bem ensolarado e o Campo Cerrado, com vegetação rasteira e arbustiva e poucas árvores. As plantas típicas do Cerrado estão adaptadas a

regimes de pouca chuva, solos com muito alumínio e outras características que dificultam a sobrevivência das plantas. O Cerrado, com sua beleza ímpar, é muito biodiverso e precisa ser preservado.

Com 12 novos bonecos em pequeno formato, o “Miniteatro Ecológico – Cerrado” aborda a questão das queimadas e narra a história de Marcolino Sucupira e suas andanças pelo Cerrado à procura de seu filho raptado pela Mula Sem Cabeça. Na busca, Marcolino encontra diversos bichos do cerrado: um tamanduá-bandeira, um grupo de cupins, uma cobra de duas cabeças, um casal de porcos do mato, um lobo-guará e um ouriço caixeiro. Além de encontrar seu filho, Marcolino precisa provar sua inocência contra a acusação de promover um grave crime ambiental: fazer queimadas. O episódio recebeu o prêmio Usiminas/Sinparc de melhor direção de espetáculo infantil em 2005.

MTE - Miniteatro Ecológico-5.png

caatinga

Dois personagens antagônicos protagonizam o espetáculo: o caçador Zé Rasgado, que degrada o ambiente quando cede às suas necessidades primárias e aos interesses de terceiros, e sua filha Inércia, que representa a esperança por estar em sintonia com o meio ambiente. O espetáculo é um pequeno retrato dos animais, habitantes e cultura popular da Caatinga.

 

O eixo do episódio discute as consequências da exploração imediatista da natureza e do uso inconsciente dos recursos naturais. Pela primeira vez o MTE adota bonecos de luva nos papéis humanos, fazendo uma homenagem ao “Mamulengo” - forma de teatro de bonecos tradicional e genuinamente brasileira, fortemente disseminada na região nordeste do Brasil. A técnica de manipulação baseada no boneco de luva e a dramaturgia improvisada crítica e bem humorada do Mamulengo foram importantes pontos de referência para a montagem de Caatinga, a ponto do Giramundo considerar esta inclusão como uma homenagem a esta forma de arte popular em risco de extinção.

MTE - Miniteatro Ecológico-7.png

amazôNia

A Amazônia, o bioma que ocupa a maior extensão do Brasil, é tida como o mais rico em diversidade biológica dentre todos os demais. Dentro dos domínios da vegetação há um grande mosaico de ecossistemas tipicamente amazônicos e ainda manchas de outros biomas. A floresta tropical amazônica

é densa, super úmida, sempre verde e tem solos pobres; o teto da floresta é composto de árvores altíssimas e há milhares de animais e plantas, muitas das quais sabemos ser endêmicas e outras que sequer conhecemos: um campo de pesquisas infinito. A Amazônia sofre consequências de uma constante e cada vez maior degradação ambiental, devido a exploração descontrolada de recursos pelo homem. Ações como desmatamento, queimadas, caça, tráfico de animais silvestres, interferem não somente de forma direta, em perda de biodiversidade de espécies, como também em interações necessárias para a sobrevivência das mesmas.

MTE - Miniteatro Ecológico-8.png
MTE---Banner-facebook---820-x-315-px-.png

episódios

icones-49.png